Manifestar interesse

Informação sobre o curso

  • Nível Inicial

    Nível 6

  • Nível Final

    Nível 6

  • Horas

    135

  • Dias

    34

  • Área de Formação

    Produção Agrícola e Animal

  • Condições de Inscrição

    Habilitações Literárias: As definidas de acordo com o Regulamento Específico 5 (RE5)

    Legislação específica: Despacho 899/2015 de 29 de janeiro

  • Objectivo Geral

    Qualificar os técnicos com conhecimentos práticos e teóricos para o modo de produção biológico, tal como definido no Reg. de Execução (UE) N.º 354/2014 da Comissão, de 8 de abril de 2014 relativo à produção biológica e à rotulagem dos produtos biológicos.

  • Objectivos Específicos

    - Colher amostras de terra, de folhas, de águas, de alimentos para animais, de fezes e de urina e planear a respetiva frequência e oportunidade;
    - Elaborar um plano de fertilização;
    - Relacionar as características físicas, químicas e biológicas de um solo com o desenvolvimento das plantas;
    - Referir as práticas fundamentais da fertilização no modo de produção biológico e planear a sua aplicação;
    - Controlar um processo de compostagem;
    - Reconhecer a necessidade de utilização de um composto e determinar as condições da sua aplicação;
    - Reconhecer as causas de erosão de um solo e ativar os meios para a minimizar;
    - Selecionar a maquinaria de trabalho de solo, de acordo com as práticas aconselhadas no modo de produção biológico;
    - Identificar quando e como regar, de acordo com a cultura e outros mecanismos;
    - Identificar todos os recursos utilizáveis na proteção das culturas segundo o modo de produção biológico;
    - Identificar os artrópodes auxiliares mais frequentes (mínimo: ao nível da ordem) e determinar as medidas a tomar para a sua preservação na exploração;
    - Identificar os estragos e sintomas mais frequentes nas culturas e relacionar com os respetivos agentes
    causadores (pragas e doenças);
    - Identificar as pragas mais frequentes e a sua posição sistemática (mínimo: ao nível da ordem);
    - Calcular as concentrações e doses de produto fitofarmacêutico a aplicar;
    - Utilizar corretamente o material de aplicação e segundo a boa prática fitossanitária;
    - Identificar as principais infestantes e escolher os processos mais adequados para o seu controlo;
    - Estabelecer o plano de conversão da exploração agrícola e/ou pecuária;
    - Selecionar as raças ou as estirpes a converter ou a introduzir na exploração, determinar o respetivo
    encabeçamento e planear a substituição;
    - Planear a alimentação, movimentação e alojamento dos animais;
    - Planear a utilização e armazenagem do estrume;
    - Identificar os animais e os produtos de origem animal, permitindo a rastreabilidade.

  • Avaliação

    Avaliação de reação final – realizar no final da ação.
    Avaliação formativa – efetuar nos diferentes módulos através de testes, trabalhos individuais ou em grupo.
    Avaliação sumativa – realizar um teste escrito e prova prática que incida sobre todas as temáticas da ação.

    Componente prática - Ao longo dos módulos, através de trabalhos individuais ou em grupo, a realização do exercício prático aí identificado e na prática de campo. Caracterização da(s) exploração(ões) observada(s) na(s) visita(s) de estudo.

    As provas de avaliação de conhecimentos são realizadas pelo formador ou formadores, a quem compete conceber as provas e as grelhas de avaliação e de pontuação do grupo e de cada formando.

    As provas são pontuadas de 0 a 20 valores.
    Os formandos que demonstrem assiduidade na ação de formação e que obtenham a pontuação igual ou superior a 10 valores nas provas de avaliação teórica e/ou prática será atribuída a classificação final "Com aproveitamento".

Manifestar interesse